Rede Corporativa
Santos - São Paulo - Brasil, 26 de outubro de 2021.

Quem é Márcia Atik?

Psicóloga clínica, conferencista, com especialização em Sexualidade, Terapia de Família e Casal, Transtornos Alimentares e Doenças Psicossomáticas, Márcia Atik tem vasta experiência na área, seja atuando em consultório, coordenando grupos, ministrando palestras em escolas, empresas, associações, sindicatos, prefeituras e demais organizações. É membro do Centro de Estudos e Pesquisas do Comportamento e Sexualidade (CEPCOS)

21/12/2015
Comportamento
Velha? É a avó!
"A vida só pode ser compreendida olhando-se para trás, mas só pode ser bem vivida olhando-se para frente." Autor desconhecido

Uma família começa a se formar, de fato, quando nasce uma criança. Nessa hora, devemos ter sempre em mente que os pais necessitam de orientação e apoio tanto quanto o bebê, não só para sua própria organização, como para que possam constituir um elemento de apoio e ajuda ao processo de educação e desenvolvimento que ela necessita.

Nesse contexto, as avós têm um papel de grande importância. Apesar disso, e por termos o dia 26 de julho dedicado às avós, detenho-me mais nessa figura que, nos dias de hoje, já perdeu um bom espaço para os berçários.

Isso também ocorre porque as avós de hoje, na sua grande maioria, tem vida pessoal e profissional da qual não querem abrir mão.

Também reforça a necessidade de se refletir sobre esse papel, que já não é vivido como nos velhos tempos quando o cheiro do bolo e o sabor das guloseimas da casa da avó embalavam as tardes de finais de semana e a vida elas davam guarida aos momentos mais difíceis.

As avós podem fazer muito quando um casal tem um filho, mas nem sempre recebem a devida atenção nem se dão o valor, ficando apegadas aos modelos antigos que não lhes cabem mais e elas nem querem mais. Nesse conflito, não aproveitam as oportunidades adequadas para manifestar seus dons.

Esses dons devem ser manifestados modernamente muito mais em cumplicidade e atualização. Basta que pais e avós tenham bem claros o seu momento de vida, desejos e, principalmente, a possibilidade de doação e não de servilismo.

Não creio que a avó apenas facilitadora seja um bom exemplo, pois nesse papel muito pouco dela aparece, exceto a experiência prática para resolução dos problemas do cotidiano. Que isso é bom eu não tenho dúvidas, mas também sei que é passageiro e fugaz ao contrário da lembrança do aprendizado de vida.

Entre um intervencionismo desequilibrado e a distância excessiva, a maioria dos avós se deixa guiar pela \"inteligência do coração\". Escutar, compreender e reunir.

As avós escutam e têm tempo. Quando aposentadas, seu ritmo de vida diminui.

Uma das graças das avós, ao acolher crianças, é a de dedicar-lhes um tempo de admiração. Saborear as perguntas das crianças, compartilhar as pequenas alegrias, ouvir suas queixas e tristezas, mágoas e injustiças...

Os pais são a lei e as avós devem ser o sonho, o espaço de tolerância e aceitação, capacidade de compreender tudo e todos.

Um aspecto que creio da maior importância é de que as avós tenham a capacidade de reunir a família. Fazer de sua casa o local encantado onde ocorrem as celebrações natalinas, a páscoa, as passagens de ano... Lugares onde se saboreiam muito mais do que pratos diferentes e sim onde a vida é festejada a qualquer hora.

Hoje em dia, essas reuniões são mais raras e difíceis nas famílias e seus infinitos afazeres. Mas a família ampla é um dom, permite à criança tomar consciência de suas raízes, de participar de uma memória comum, de uma herança de gerações.

Essa experiência convida a ampliar a vida comunitária, a solidariedade nas dificuldades e passagens difíceis.

As avós têm ou teriam que ter essa graça de manterem - até aonde é possível - os laços familiares. Às vezes só se percebe isso, quando eles não estão mais aqui ou o tempo passou e perdeu-se a oportunidade. Mas o vivido na infância, na casa dos avós, é uma marca para o resto da vida.

O intercâmbio entre pais, avós e netos hoje em dia não é apenas uma relação hierárquica, onde os pais são leões, os filhos ratinhos e os avós dinossauros.

É, antes de tudo, uma relação transversal onde todos são inteligentes e capazes de crescerem na cadeia do complemento, pois avós lúcidas e generosas pretendem um mundo viável para seus filhos e netos.

Feliz Dia das Avós!

 

 



Atalhos da página



Rua Goias - Gonzaga / Santos - CEP 11050-100
Telefone: (13) 3232-1464 - Consultório
Rede Corporativa e-Solution Backsite